Domingo, 22 de Junho de 2008

Hoje é dia Mundial do yoga

 

Ao entrar, hoje, na página do sapo vejo a seguinte pergunta:

- Já praticou yoga?

Respondi, prontamente, que sim.

Faço parte dos 8% que, como eu, responderam afirmativamente - até àquele momento

 

Eu pratiquei yoga. Sim. Uma única vez.

 

Já contei a história a alguns amigos.

 

Certo dia, acompanho a fifi à aula de Yoga que, "afortunadamente", se dirigia unicamente a nós.

Foi numa altura de muito stresse, muita preocupação mas, felizmente, com tanto trabalhinho pela frente que, por vezes, desde as sete horas que me levantava -  às vezes, seis -  até por volta da meia-noite, não me sentava um só minutinho que fosse.

 

A aula começou às dezasseis e trinta minutos.

Até esse preciso momento, eu já havia feito tudo o que me era, humanamente, possível fazer.

Julgo eu. Sempre podemos fazer mais.

Adiante.

 

Por esta razão, tentei esconder, o mais possível, a exagerada sonolência que se apoderou de mim através de bocejos cada vez mais pertinentes e regulares.

O cabelo, felizmente, comprido o suficiente para me tapar a cara, foi o meu maior aliado. Fazia deslizá-lo, como quem não quer a coisa, pelo rosto abaixo e a aula lá corria normalmente -  com mais braço, menos perna, mais cabeça, menos pescoço -  encolhido ou esticado - para mim já tanto fazia.

Era-me indiferente. Só queria esconder da professora aquela "espécie de vergonha" por  ter de passar a aula naquela triste figura. 

Ninguém imagina. Era demais. Não me reconhecia.

 

Segundo a professora, até fui muito bem, para uma primeira vez.

Como sabia da nossa situação, foi simpatiquíssima. Elogiou-me por isso mesmo. Para evitar mais delongas.

 

Eis se não quando, a dez minutos da aula terminar, manda-nos deitar numa almofada muito fofa, com as pernas elevadas e encostadinhas à parede.  Põe uma musiquinha muito baixinho e sai, dizendo num sussurro:

 

- Relaxem, dez minutinhos. Volto já!

 

Minhas amigas e amigos... Só sei que, quando ela volta e abre a porta, dou por mim sem saber onde estava, quem era, de onde vinha e para onde ía!

E pior!

Quem seria aquela "personagem", ali mesmo à minha frente e o que estaria ali a fazer?

 

Sorrateiramente, sai de novo, fazendo qualquer sinal à filha, que não percebi.

 

Só entendi, depois, quando a fifi me diz:

- Ó mãe! Não consegui concentrar-me por tua causa... Ressonaste o tempo todo. Ainda bem que não havia cá mais ninguém... Mas devem ter ouvido lá fora!!!

 

- Quem eu? Nã!!! - reparando, através dos vidros, nas pessoas que estavam lá fora  a olhar cá para dentro. (Acho que entravam logo a seguir.)  - Eu?

 

Nunca mais fui ao yoga. Mas recomendo.

A quem não ressona. Ou ressona baixinho.

 

 (Foto retirada da net)

 

 

 

publicado por tresgues às 17:47
link do post | comentar
comentários:
De Yoga - Método DeRose a 4 de Julho de 2008 às 19:53
Olá!

Estive a ler a sua história e fartei-me de rir... acho mesmo que valeu a pena este tempinho. Como tal, gostaria de desmistificar algo que pairou pelo texto:

Devo dizer-lhe que sou Prof. de SwáSthya Yôga e que infelizmente essa experiência vivida acontece em dezenas e dezenas de espaços onde se pratica Yôga... na verdade talvez se pratique Ioga (que é bem diferente) Pois as aulas de Yôga que ministro são fortes e não têm a proposta de relaxar tanto como menciona. Aqqui, os praticantes ficam cheios de energia e disposição para a vida. Ganham flexibilidade e condição física que em nenhum desporto conseguem. - Aconselho-a a experimentar.

Despeço-me com um sorriso e apresento-lhe os meus cumprimentos

Carlos
De tresgues a 5 de Julho de 2008 às 09:13
Bom dia!
Já li ontem o seu comentário e não respondi logo pq tinha de fazê-lo com calma... :)
Em primeiro lugar, obrigada por ter vindo aqui e ainda bem que ficou bem disposto ao fazê-lo. É essa a minha intenção...
Em segundo lugar, após ter escrito o que escrevi fiquei com a "ligeira" impressão que o meu texto poderia induzir em erro quem o lesse. Pelo menos no final, os dois últimos parágrafos, onde digo que nunca mais fui ao yoga.
Acontece que:
1º - Nunca foi, peço desculpa, uma actividade física que me atraísse. Tenho outras que prefiro... de longe! (Agradeço que, agora, continue bem disposto ;)
2º - Isso não impediu que a minha filha o praticásse. O que quer dizer alguma coisa. Pois não queremos sempre o melhor para os nossos filhos? Às vezes é aborrecido eles preferirem o Sporting ao Benfica... mas... É a escolha deles :)
3º - Ela praticou, em Lisboa, com o Método de Rose. Tenho livros lá em casa sobre o assunto... Que só li na diagonal... O que hei-de fazer?
4º - Aqui (estamos neste momento na Alemanha) a professora é, segundo a filha, muito competente. Aliás, o Sting - quando veio cá - teve aulas com ela.
5º - Tenho amigos que também o praticam e já deram (ou dão) aulas.
6º - Aquela aula que descrevi foi especial. Feita só para nós, atendendo ao momento que passávamos. Nessa altura, a filha estava fisicamente (e ambas psicológicamente) muito debilitada. Não lhe era possível fazer todos os exercícios. A professora foi impecável... (E nós, também, porque mm assim fomos! ;)
Mas.. sentimo-nos muito melhor à saída do que à entrada! E eu, naquela altura, dormia em qualquer lado (felizmente)... Até num concerto do Sting ;)
Portanto, e concluindo, para minha "remissão":
a) Quem sentir muita vontade pode e deve praticar Yoga;
b) Quem não sentir muita vontade pode e deve experimentar. Pode até mudar de idéias;
c) Não se esqueçam que podem e devem praticar SEMPRE qq actividade física. Há para todos os gostos e adaptada a qq um.

PS: Já experimentou dança criativa? ;)
(Também me despeço com um sorriso.)

De Yoga - Método DeRose a 5 de Julho de 2008 às 12:21
eheheheh...

Acredito que deva ser uma pessoa fantástica e com excelente sentido de humor.
Começando a responder pelo fim, nunca fiz dança criativa, quem sabe um dia arranje um jeito :)
Devo então concluir que a sua prática não foi mesmo yôga mas sim uma espécie de aula especial para o estado psicológico em que vocês se encontravam :) pelo menos deu para relaxar ou administrar o stress..
Receba uma vez mais o meu sorriso e carinho especial, que consiga tocá-la aí tão longe de nossa terra natal.

SwáSthya!
Carlos
De tresgues a 5 de Julho de 2008 às 15:15
Pronto!
Ainda bem que me expliquei melhor.
Dança criativa tb só fiz uma vez - durante cinco dias, em Espanha. Mas A-DO-REI!!!
Já procurei e ainda não encontrei, daquela "forma" em Portugal. Para a dança criativa todos têm jeito. Cada um faz como sente a música no momento... Só é preciso aprender a relaxar e esquecer-se do resto.
Daqui à nossa terra natal são só uns míseros minutinhos... Digamos que compridos... Longos...(quase três horas) Por isso recebi tudo direitinho.

auf Wiedersehen!



Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.posts recentes

. Em...2016...

. Boas-Festas

. Não!

. O meu pica do sete

. As escolhas de tresgues

. Cenas quotidianas

. Coisas da vida

. As escolhas de tresgues

. As escolhas de tresgues

. Fifi, o malabarista

. Educação diferente. Porqu...

. Bom dia

. As escolhas de tresgues

. Coisas da vida política

. Fifi, o calhandreiro

.arquivos

.links

.subscrever feeds