Segunda-feira, 2 de Abril de 2012

Prova final no 4º ano (II)

(TAKE 2) 

Por motivos :) - e entre os quais se encontra o que tenho ouvido por aí, sou levada a acrescentar, à minha primeira opinião acerca do assunto, o seguinte, e sintetizando:

1 - As provas são isso mesmo: provas. 

     Deixem de lhe chamar exames e vai ser mais fácil concordar com elas.

2 - Não vão eliminar ninguém.

     Contribuem apenas para a avaliação;

3 - As pessoas são avaliadas ao longo da vida. Por que não habituá-las desde cedo?

     Se não são avaliadas, deviam ser. Há gente mais empenhada do que outra e pode/e deve ser distinguida por esse facto. Por que não?

4 - Ninguém, que aprove estas provas - passo a possível redundância - e só por isso, deve ser conotada como saudoso/a do fascismo (!);

     Ninguém, que não aprove estas provas, e só por isso, deve ser conotado como uma pessoa democrata;

5 - Há coisas boas a recolher "do antigamente" e coisas inovadoras e excelentes "do recentemente".

     a) do antigamente (por exemplo):

         ♦ a memorização faz mal a alguém?

         ♦ saber a nossa História desde o início, é algum desperdício?

         ♦ saber fazer contas sem usar as máquinas, tem algum problema?

         ♦ escrever sem erros, preparando ditados, fazendo cópias das palavras mais difíceis (sim, e com as dificuldades a cores para melhor visualização), faz mal a quem?

         ♦ escrever textos criativos, ou não, ao sabor da pena, ou não, falando do que tiver vontade na altura, ou não, mas saber que alguém vai ter tempo para ler* e corrigir, sim, se for necessário), mas vai mesmo ler e, se for preciso, vai mesmo discutir o assunto com o aluno, algo a objectar?

         ♦ ter tempo* para fazer trabalhos manuais, desenho ou pintura, para cantar, disputar jogos entre turmas, etc., não desenvolve e não explora áreas bem interessantes do saber que podem, até, contribuir para uma melhoria do aproveitamento nas outras áreas? 

      

         b) do recentemente (por exemplo):

         ♦ saber usar o computador para complemento educativo e, porque não, lúdico, estando por dentro de todas as vantagens e desvantagens, perigos inclusive, nada a obstar, certo?

         ♦ saber usar iPods, iPads máquinas calculadoras, é bom, não é?

         ♦ chegar à resolução correcta de um problema matemático, de forma diferente e com criatividade, é de louvar, não é? 

         ♦ saber, compreender e experimentar a razão porque cinco vezes oito são quarenta, ajuda à memorização, certo?

         ♦ saber pensar, idealizar, concretizar, abstrair, generalizar, individualizar, decidir... etc.- sozinho - é meio caminho andado para a tal preparação para a vida - que se quer - não é verdade?

 

Porque não juntar as coisas do antigamente que se sabem boas e fazê-las conviver pacificamente com as novas, em prol de um melhor aproveitamento (não só estatístico)?

 

NOTA1: E devemos ter por certo que, muitas vezes, algo que poderia ser considerado pedagogicamente errado, pode resultar correctamente, quando já tudo se experimentou e nada resultou. Não fazer nada, não mexer, quando nada está bem, será bem pior. Sei de um caso: uma turma não havia meio de começar a ler, alto e bom som, sem medo, com atitude, com expressão, pontuação e a correcção adequadas. E já no terceiro ano (?)! Não estudavam a lição. Ponto final. Mas, curioso, adoravam ir à biblioteca (bem apetrechada, por sinal, para uma escola pública que, por sinal, devido ao interesse da directora que tinha à frente - e que, por sinal, até tinha autonomia própria, só por sinal...!;) todas as sextas, buscar um livrinho de leitura para ler no fim-de-semana. Muito bem. Já tudo fora experimentado e não havia modos de haver resultados. Sendo que as normas pedagógicas vigentes ditavam que, de maneira nenhuma, se poderia proibir a leitura de um livro a uma e qualquer criança - optou-se, em último recurso, por infringir essa regra. Resultado? Nem queiram saber como a estratégia resultou. E era vê-los a bater palmas e a exclamar: "Yes, vou levar livro no fim-de-semana!!!"

Que satisfação. Dos alunos e da professora.

 

NOTA2: Se ninguém fizer disto - da prova de avaliação - um bicho de sete cabeças, os miúdos até vão gostar e, repito, até se vão esforçar com gosto. Motivação, meus caros.


PS1*: Pois é. Mas, de momento, o professor tem pouco tempo para isto*. É pena. Tanta papelada, tanta reunião extra. Professores. Uns com os outros. E já fartos. Uns dos outros. Quando muitos preferiam ter tempo para outros. Extras. Com alunos. E que bem precisam. Uns dos outros.

 

PS2: Só um à parte, quanto às reprovações ditas precoces e discriminatórias - que já foram um pouquinho corrigidas: é bem mais difícil recuperar, por exemplo, um aluno e a sua auto-estima, que continue sem saber ler, escrever ou fazer contas - num terceiro ou quarto ano de escolaridade, junto de colegas da sua idade -  do que incentivá-lo no seu primeiro ano de repetência, junto de colegas que estão ao mesmo nível - ou, e ele sabe disso, num nível inferior, porque até nunca frequentaram aquele ano. E já não falo no trabalho extra do professor perante este aluno - que, neste contexto, é quantas vezes infrutífero e penalizador para os outros alunos da turma. Uma pena. (Para além de que, reprovar um aluno que não trabalhou nem se esforçou é, por si só, uma prova esforçada de relatórios atrás de relatórios, dando muito menos trabalho transitar um aluno que não sabe e não trabalhou o suficiente do que reprová-lo. Não é facilitismo, não?)  

 


PS3: Mas vá lá, para terminar em beleza, deixo-vos esta pérola de um aluno que sabia que nada fizera durante o ano e que, por isso, era um dos que estava em risco de reprovar (pese embora as tais dezenas de relatórios) - mas que tinha a tal permissão para escrever e desabafar com quem desejasse, inclusive com a professora, como foi caso.

Transcrevendo com base em provas documentais existentes:

 (E a ter que pedir algo, pede-se logo a "Deus"...!)

 

Professora

porquê que a professora não me passa? - eu sempre gostei da professora

Professora por vfavor passe-me para o primeiro ano onde a minha irmã carina anda mas não faz mal que eles me mandem para aqui outravés eu não fasso lá as coisas que eu fasso aqui a professora passame? porque se a professora passasme a minha mão deixavame ficar com o gato mas a minha mãe não deixa.

beijinhos do...(tal) para a Professora... (tal)

 

e

professora

eu gosto muito da professora eu ja a muito tenpo que não fazia cartas para a professora...


ou das poucas vezes que teve boa nota:

Professora

Eu agora vou-me portar muito bem eu ficei muito felis coando a professora pos muito bom (reparem que, não se verificando estes erros, claro, foi bom classificar/avaliar tudo com rigor) eu gosto muito da professora a minha mãe seca-lhar (reparem no "se calhar") vai ficar felis da quilo que eu fis bem beijinhos do...(tal)  para a professora... (tal)

E a professora gosta de mim por amigo?


HUM? Hum? hum? hum? hum?

Amigo é amigo, bolas!!! Desculpa qualquer coisinha, ou então... não é amigo da gente! Né?

 

Boa semana.

publicado por tresgues às 10:43
link do post | comentar
comentários:
De loengo a 2 de Abril de 2012 às 11:38
Muito bem!!! Quem assim, escreve...
Gosto, gosto...
Grande "molher"!!!
De tresgues a 2 de Abril de 2012 às 11:44
Este, por acaso, não é o da "molher" (esse ainda só estava no início do segundo ano), mas também tinha uma certa graça. Este é o que não ía para casa porque nunca mais via as esetrelas no céu. (Estava quase a chover!) ;)
De loengo a 5 de Abril de 2012 às 11:19
Ah... ah... ah...
"Esetrelas", esta é muito boa!!!
Eu tive um que dizia coisas fantásticas, uma para amostra: "Barco dos meus dias" para dizer Bartolomeu Dias.
Dava um livro...
De tresgues a 5 de Abril de 2012 às 13:38
Olha, só para que conste: as "estrelas" fui eu que escrevi mal.
Há qualquer coisa no meu teclado que, se não carrego com uma força astronómica, não me marca as letras. Se carrego exageradamente, marca letras a mais...
Não ralo.
Farta.

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.posts recentes

. Em...2016...

. Boas-Festas

. Não!

. O meu pica do sete

. As escolhas de tresgues

. Cenas quotidianas

. Coisas da vida

. As escolhas de tresgues

. As escolhas de tresgues

. Fifi, o malabarista

. Educação diferente. Porqu...

. Bom dia

. As escolhas de tresgues

. Coisas da vida política

. Fifi, o calhandreiro

.arquivos

.links

.subscrever feeds