Sexta-feira, 6 de Abril de 2012

Conversas improváveis de uma sexta-feira santa

Melhor dizendo, discursos improváveis de uma sexta-feira santa.

(foi lapso.)

 

"É sexta-feira, trabalhei a semana inteira"

Não! Isto parece ser um discurso de trabalhador. Trabalhador animado, que quer ir p'rá brincadeira.

Não é discurso de filho-da-puta.

 

Esclarecendo:

Acerca do filho-da-puta, como acerca de muitas outras coisas, correm neste país as mais variadas lendas. Há até quem seja da opinião que o filho-da-puta, a bem dizer, nunca existiu, dado que ele é apenas um modo de mal-dizer. Nada, porém, mais falso.  (...) O filho-da-puta existe. Em todos os lugares, excepto no dicionário. No dicionário existem variados filhos, entre eles o filho-família, o filhastro e o filhote, mas não existe o filho-da-puta. Em compensação, o filho-da-puta existe em todos os outros lugares. Claro que há lugares que ele de preferência ocupa e onde por conseguinte é mais frequente encontrá-lo (...)

(...) é muito difícil reconhecê-los pois o filho-da-puta nem sempre usa sinais distintivos e de resto, há filhos-da-puta que vestem bem e filhos-da-puta que vestem mal, filhos-da-puta garridos e filhos-da-puta soturnos, de uniforme e à paisana, de saias e de calças, de bata branca e de bata preta. Nem sequer é fácil saber se o filho-da-puta te predilecção por este ou por aquele traje, é certo que ele se mostra mais nuns do que noutros (...)

Às vezes é certa delicadeza, certa doçura, certa suavidade do olhar e certo modo de encostar as pernas, e até certo modo de urinar e de defecar (este último sinal nem sempre é francamente detectável) que denota o filho-da-puta.

(...) o filho-da-puta, por si, nunca se define à primera vista, e esse é o primeiro e o principal dos seus traços. À primeira vista, o filho-da-puta diz quase sempre «sim senhor», à primeira vista, o filho-da-puta é sempre assim, «sim senhor». É só depois, às vezes muito depois, é que o filho-da-puta diz que não, «não senhor» (...)

Há filhos-da-puta especializados em fazer e filhos da puta especializados em não deixar fazer (...) Todo filho-da-puta colabora com todo o filho-da-puta na tarefa comum de todos os filhos-da-puta de impedir uma vida despreocupada.

(...) É-se filho-da-puta em full time. De manhã à noite, e de noite até de manhã (...)

Será eterno o filho-da-puta? Sim, tudo leva a crer que sim, que o filho-da-puta é eterno. (...) Um bocadinho triste, apagado, cansado, (...) e, coisa curiosa, ao mesmo tempo ordinário e delicado, muito ordinário e muito delicado, muito muito ordinário e muito muito delicado.

 

É só um breve resumo do que todos podem e devem saber sobre este ser.

Para melhor esclarecimento, sugiro a leitura do livro:

discurso sobre o filho-da-puta, de Alberto Pimenta, Maja Marek, 7 Nós, Maio 2010 , 6ª edição.

Curiosidade extra: 1ª edição em 1977, da Teorema.

 

PS: Aqui, só estão proibidos de comentar - e de se "transformarem" - a partir de hoje, os que por aqui passam antes de 2005.

Curiosidade extra: Este blog teve início em 2008.

 

tenho dito. (é assim que termina todo um discurso sobre o filho-da-puta.) 

publicado por tresgues às 11:53
link do post | comentar
comentários:
De Anónimo a 6 de Abril de 2012 às 13:15
Termina ou começa?
Cada vez essa espécie está mais difundida...
Haja paciência!!!
Feliz Páscoa :))
De tresgues a 6 de Abril de 2012 às 22:58
Termina naquele livro. A menos que o autor faça uma reedição, remodelada. Mas esta ainda está muito dentro do prazo. Infelizmente.
Boa Páscoa :)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.posts recentes

. Em...2016...

. Boas-Festas

. Não!

. O meu pica do sete

. As escolhas de tresgues

. Cenas quotidianas

. Coisas da vida

. As escolhas de tresgues

. As escolhas de tresgues

. Fifi, o malabarista

. Educação diferente. Porqu...

. Bom dia

. As escolhas de tresgues

. Coisas da vida política

. Fifi, o calhandreiro

.arquivos

.links

.subscrever feeds