Quarta-feira, 8 de Maio de 2013

Educação vs cultura (de boa educação)

Tanto que se tem desrespeitado a educação nestes últimos tempos. E nestes últimos dias. O mal da educação até é mais fácil de resolver do que se pensa. Só que, às vezes, não se pensa. Custa assim um pouquinho a pensar.

 

No último ranking da educação feito por um estudo que avalia o desempenho escolar em quarenta países, Portugal ficou no 27º lugar. Há pior. Há melhor. Nos cinco primeiros lugares estão a Finlândia, a Coreia do Sul, Hong Kong, Japão e Singapura, por esta ordem e à frente, por exemplo, da Suíça, Alemanha ou Dinamarca. Em último está a Indonésia, em penúltimo o Brasil.

Segundo o estudo, onde estão as verdadeiras diferenças entre os melhores e os piores?

 

Ao analisar os sistemas educacionais bem-sucedidos, Michael Barber, consultor-chefe da Pearson - que efectuou o estudo - sublinha que as nações que figuram no topo da lista valorizam seus professores e colocam em prática uma cultura de boa educação. (...) O estudo concluiu que investimentos são importantes, mas não tanto quanto manter uma verdadeira "cultura" nacional de aprendizado, que valoriza professores, escolas e a educação como um todo. Daí o alto desempenho das nações asiáticas no ranking. Nesses países o estudo tem um distinto grau de importância na sociedade e as expectativas que os pais têm dos filhos são muito altas. Comparando a Finlândia e a Coreia do Sul, por exemplo, vê-se enormes diferenças entre os dois países, mas um "valor moral" concedido à educação muito parecido. BBC.

Para Michael Barber, consultor-chefe da Pearson, as nações que figuram no topo da lista valorizam seus professores e colocam em prática uma cultura de boa educação.

Está tudo dito.

 

Sobre os exames? Não vou falar. Até porque já falei deles há um ano. E, pelos vistos, há coisas bem mais importantes a debater. Como sejam, por exemplo, a tal cultura (geral) de boa educação. Que, normalmente, até passa de uma geração à outra geração, não é verdade? Assim de pais para filhos, por exemplo. Mas quando se perde custa a recuperar. Custa! Mas não há impossíveis. 

 

PS: Pois é! E deixem de lado os "pobrezinhos e os coitadinhos". Dos meninos. Tão contentinhos que estavam. E se não fossem os "grandes", ainda estavam mais. Gostei de os ver. Até tive "algumas" boas saudades.

publicado por tresgues às 08:52
link do post | comentar

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Em...2016...

. Boas-Festas

. Não!

. O meu pica do sete

. As escolhas de tresgues

. Cenas quotidianas

. Coisas da vida

. As escolhas de tresgues

. As escolhas de tresgues

. Fifi, o malabarista

. Educação diferente. Porqu...

. Bom dia

. As escolhas de tresgues

. Coisas da vida política

. Fifi, o calhandreiro

.links

.subscrever feeds