Terça-feira, 9 de Junho de 2015

Não há drones? É tal e qual!

Copiar nos exames ficou mais difícil na China. Agora há drones a vigiar. - Expresso.

 

Antigamente, na minha escola, também era difícil copiar. Principalmente nos testes de História. O professor já tinha um "drone". E calmamente:

- Fulano, feche o livro. Beltrana, ponha as cábulas debaixo da mesa, sff. Sicrano não olhe para o teste do colega do lado... Senão anulo-lhe o teste.

Nós boquiabertos. Como era possível? O professor nem olhava para nós. Nem nos via. Estava sempre a ler as últimas dos jornais. E com tanta atenção...

Um dia, o colega e amigo Fulano, esperto, chegou-se à frente, com olhos de ver. E viu. E comunicou:

- Malta, Sicrano e Beltrana, cheguem cá! Sabem que mais? O professor fez um furinho pequenino no jornal, com a esferográfica!!!

- Eh... A sério???

Tudo explicado. O professor de História, de quem todos gostávamos tanto, era um génio. Construiu um "drone", muitos anos antes de alguém saber, sequer, que um dia os haveria de encontrar por aí aos "drones". Desculpem, aos molhos. 

 

PS1: O professor quando soube da descoberta da turma, disse-nos, com um simples sorriso, mas que julgámos ser sério: Ai é? Não esperem pela demora. Já cá está outra na calha. E esta nunca a vão descobrir.

PS2: Sei que não foi ele que inventou os novos drones porque, infelizmente, há muitos anos que não está entre nós.

PS3: Se a outra que tinha na calha, calhou, nunca a descobrimos. Bem, a balda do copianço também deixou de ser tanta.

PS4:

E sem manias,

Grandes professores!

Grandes pedagogias.

É tal e qual.

Não há drones?

Um furinho no jornal!

 

publicado por tresgues às 09:40
link do post | comentar
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

Numa escola perto de si

Num futuro muito próximo - por causa dos vistos Gold e outros -  e porque...

 

Os árabes estão a reproduzir-se com velocidade.

Os africanos estão a reproduzir-se com velocidade.

Os chineses estão a reproduzir-se com velocidade.

E estão cá todos (quase todos, vá!) em Portugal.

E nós? A emigrar.

 

Assim, daqui a uns anos, no primeiro dia de aulas em Portugal...

A professora faz a chamada:

"Mustafá El-Ekhseri"..............................Presente!

"Obamba Moluni"..................................Presente!

"Achmed El-Cabul"................................Presente!

"Evo Menchú"......................................Presente!

"Yao Ming Chao"..................................Presente!

"Al Ber Tomar Tinsdi-As"......................Ninguém responde.

 

Al Ber Tomar Tinsdi-As"... Volta a repetir a professora, algo chateada.

Ninguém responde!

 

Pela última vez, diz a professora bastante exaltada: Al Ber Tomar Tinsdi-As"!!!

De repente, levanta-se um miúdo e diz:

"Devo ser eu, professora, mas pronuncia-se Alberto Martins Dias!"

(via mail)

 

PS: Como é que um professor não há-de dar erros? Não está preparado.

Mas, depois, mesmo sem querer, uma pessoa vai-se adaptando. Modernizando...

Miudos07.gif

publicado por tresgues às 11:06
link do post | comentar
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

Encarregados da educação? Da educação de quem?

Se você quiser civilizar um homem comece pela avó dele - Victor Hugo.

 

Pais agridem professora por ter confiscado telemóvel na aula da matemática.

Muito bem, paizinhos.

Invadem a escola, sobem à sala dos professores e cá vai disto.

A menina fez queixa aos paizinhos e os paizinhos acreditam sempre nos filhinhos.

Sem falarem primeiro com os professores.

Muito bem.

Sobem ao segundo andar, talvez por falta de funcionários que vigiem a escola de modo a poderem proteger devidamente quem lá ensina ou estuda.

Muito bem.

Neste aspecto, talvez as coisas comecem a mudar no dia que haja um acidente com "mais visibilidade". Como é costume.

Porque nos outros aspectos, nem a escola  - que vai suspender a aluna - nem a professora têm de mudar. Os paizinhos, esses, precisavam que lhes fossem retirados - durante uns meses - os respectivos telemóveis e outros "artefactos" do género que, pelos vistos, não conseguem educar a tal aldeia (Aldeia, essa, bem mais educada quando estes "artefactos" não existiam. Mas, está bem. A culpa até nem é dos "artefactos". Coitados.)

E já agora. Se o governo considera a hipótese da existência desta lei para as agressões aos funcionários das finanças, porque descuram os professores e a escola? 

A educação também se transmite pelo exemplo. E... 

A má educação consiste especialmente nos maus exemplos - Marquês Maricá.

 

PS: E já agora, também... Estava capaz de propor a mudança do nome "encarregados de educação" para... hum... outra coisa diferente.

(Não quero ser mal educada. É que tive uma avó excelente. E civilizada.)

 

publicado por tresgues às 13:08
link do post | comentar
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Só professor?

Aos que começam hoje.

Aos que ainda não começam hoje.

 

O que é um professor?

Um professor é um educador.

Só? 

Antes de mais - e cada vez mais - ele é um psicólogo, um sociólogo, um assistente social, um relações públicas - não de vinte e tal crianças, que essas são o melhor que acontece para qualquer professor que ame a sua profissão - mas de, quantas vezes, vinte e tal pais, vinte e tal mães, vinte e tal padrastos/madrastas, vinte e tal namorados de mães/pais, fora as avós, os avôs, etc., e tudo o que isso acarreta para uma criança. 

E depois, não há maneira de transmitir conhecimentos sem que aquelas cabecinhas tão sensatas e tão sinceras fiquem em paz consigo mesmas, para que possam estar disponíveis para um tão grande prazer na vida, como é o de aprender. De adquirir conhecimentos. E como elas gostariam que isso acontecesse.

Os professores são, ainda, escriturários, gestores, animadores socioculturais (e não só), etc.. Para não me alongar, fico por aqui. E tudo isto, para dizer que este trabalho é como outro qualquer (acrescento, só, que acho que há piores profissões, até porque para mim não há melhor do que lidar com crianças) mas gostaria de vos ver com uma turma inteira diante de vós. Só uma semana. Até podia ser daquelas turmas com meninos "mais bem comportados". Seja lá o que isso for. Agora. Com o dever de ensinarem e educarem.  Até vos retirava as reuniões, as escriturações, as gestões, os papelões, etc..

A sério. Gostava.

Hoje, mais do que professor, e antes de tudo, para mal dos mesmos e grande mal das crianças, os professores têm de ser os tais de que vos falei ali em cima. E, depois, lá diz o ditado: Para educar uma criança é preciso a aldeia inteira. E a aldeia (inteira) não tem estado disponível.

E os professores começam a ficar sem tempo para fazer o que os outros acham -  - que eles fazem.

E é desgastante, ao fim de um ano, dois, vinte, trinta, um professor considerar que não cumpriu devidamente a função que se propôs abraçar. (Se lhe deram essa feliz oportunidade de a poder abraçar, claro.)

 

Se estão a ler isto, algum professor tiveram.

Bom ou mau, mais ou menos capaz, cumpriu.

Respeitem-no. Mesmo que não seja a pessoa que mais amem no mundo.

 

 

 

Bom ano para todos os professores com trabalho.

Muita força para todos os professores que ainda não começam hoje.

 

PS: Este post também era dos que já estava ali guardado há algum tempo. Hoje foi o dia. Com as devidas actualizações, claro. 

Boa semana. 

publicado por tresgues às 10:43
link do post | comentar
Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

Andamos a matar a criatividade

Muitos licenciados no desemprego? E muitos mais virão a ser.

Mas quantos génios se perderam? E quantos perderemos ainda?

Ontem, após longa conversa, lembrei-me deste vídeo.

Hoje, ao ler esta notícia, voltei a lembrar-me dele: "Professores de línguas e de artes com poucas ou nenhuma hipótese."

Também me poderia debruçar sobre o ensino das línguas, mas vou focar-me nas artes de que tanto gosto. Dedico-o a todos os educadores. A todos os artistas. A todos nós, afinal. Imperdível. Logo que possa ganhar tempo.

"Todas as crianças nascem artistas, mas a dificuldade está em continuar a sê-lo quando crescem." (Pablo Picasso)

É uma pena.

 

 

 

publicado por tresgues às 10:52
link do post | comentar
Sábado, 15 de Junho de 2013

Coisas de professores

E coisas de quem percebe do assunto, AQUI, numa carta aberta ao professor Nuno Crato, por João A. Moreira, no blog "Os diletantes".

 

Transcrevo o começo:

 

Caro Professor Nuno Crato,

Acredite que é com imenso desgosto que lhe escrevo esta carta aberta.

Habituei-me, durante anos, a ler e a concordar com o muito que foi escrevendo sobre o estado do ensino em Portugal. Dos manuais desadequados à falta de exames capazes de avaliar o real grau de aprendizagem dos alunos; do laxismo instituído à falta de autoridade dos professores; do absoluto desconhecimento do que se passava nas escolas, por parte do Ministério da Educação à permanente falta de materiais e condições nas escolas. Durante anos, também eu me revoltei com a transformação da escola pública em laboratório de experiências por parte de políticos, pedagogos e supostos especialistas em educação. Foi por isso com esperança que me congratulei com a sua nomeação para Ministro da Educação do actual governo.

 

Agora podem continuar a ler. Vale a pena.

Resto de boa tarde.

publicado por tresgues às 16:45
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 17 de Maio de 2012

Dia mundial das telecomunicações

Dia Mundial das Telecomunicações, este ano subordinado ao tema "Tecnologias da Informação e da Comunicação para Todos - Auxiliar as Pessoas a ultrapassar o Fosso Digital"- Anacom.

E há todo um a-b-c que devemos ensinar às nossas crianças. E não só.

Mais do que um método global qualquer - ou um qualquer método natural - este é, naturalmente, o mais actual.

 

 

(Via mail. Obrigado à Zaza.)

Resto de um bom dia - hoje muito mais fresquinho.

 

publicado por tresgues às 09:27
link do post | comentar | ver comentários (4)
Sexta-feira, 27 de Abril de 2012

Sem escolhas

E o que se passa é isto. 

Desabafo de um professor que gostava de ser professor.

 

Reorganização curricular

Sinto que mais uma vez não se pega o touro pelos cornos? É assim a modos como uma pega de cernelha? Porque quanto ao Pré-escolar e ao 1ºCiclo nada de fundamental.

Transição obrigatória no 1º ano? Sim, continua a palhaçada. Planos de Recuperação, Planos de Acompanhamento? Sim, continua a palhaçada. Apoio ao Estudo para todos? Sim, continua a palhaçada com os EE a dizer que sim, que sim, que sim?

27 horas letivas! Sim que ao Apoio ao Estudo vão TODOS, que todos são filhos de gente! PCT? Sim, continua a palhaçada da burocracia. Monodocência coadjuvada, em expressões? Sim, continua a palhaçada? Apoios? Sim, continua a palhaçada da burocracia da articulação e mais planificações e relatórios e relatórios e relatórios dos relatórios, etc.? Das AEC s, do Apoio Educativo, da E. Especial, da coadjuvação, da articulação da atividade A com as restantes, da B com as restantes, das C com as restantes, da D com as restantes?

O 1º Ciclo é assim como um Aterro Sanitário da Educação! Tudo lá vai parar! Tudo quanto existe cai! É a própria gravidade pura! Não há tempo para o essencial! Não há tempo! É tudo Projeto: é o PNL, é o PAM, é o de E. Sexual, é o Ensino Exp. das Ciências, é o de F Cívica, é o de Área de Projeto, é o da CPCJ, é o do Centro de Saúde, é o da Biblioteca Municipal, é o da Câmara Municipal, é o da Proteção Civil, é o da articulação com o 2º Ciclo, é o da articulação com o 3º Ciclo, é o da articulação com o Secundário, é o da articulação com o Pré Escolar, é o da articulação com todos? E depois, planifique lá, faça esquemas e mostre lá como se articula cada um, com cada qual e cada um com as diferentes áreas curriculares disciplinares e com as áreas curriculares não disciplinares, e com as AEC s? E depois registe lá, também, os contatos Informais: com EE, com colegas, com e com e com e com? E depois, avalie lá o que planificou explanando toda a articulação: o que foi conseguido, o que não foi, o que fugiu à planificação, o que adaptou e porquê? O que introduziu e porquê? E depois faça lá umas grelhas com os resultados alcançados, um relatório? Corrido? Também. E já agora uns gráficos? E já agora mais do mesmo, mas, comparativos, período a período, e já agora compare lá com os resultados do ano passado? E já agora passe lá uns Inquéritos e faça lá o tratamento dos dados? E o relatoriozinho corrido? E já agora, não se esqueça de fazer a avaliação de cada atividade do PAA, de outras que surjam e de cada projeto com os seus alunos, pois existem documentos para o efeito?

Folhas para fotocópias, toner, etc. e tal é que não! E já agora, Não se atrevam a dizer que não! Não falo de ouvir falar: falo porque esta é a realidade! NÃO TENHO ESPAÇO, NÃO TENHO TEMPO PARA O ESSENCIAL. Estou farto! GOSTAVA DE SER SÓ PROFESSOR!

 

(via mail - autor desconhecido vs realidade bem conhecida.)

Bom fim de semana.

publicado por tresgues às 08:37
link do post | comentar | ver comentários (2)
Quarta-feira, 29 de Junho de 2011

Exame de admissão à carreira...

... de professor? (educare.pt)

Concordo em absoluto. 

É a minha opinião.

Conheço quem fez exame para entrar no Magistério e ainda tenha feito exame para terminar o Magistério. O chamado exame de Estado.

(E ao começar a carreira ainda fez um juramento com a mão em cima duma bíblia qualquer. Pormenores.) 

Conheço quem tenha, pela primeira e única vez, perdido a voz. Tal era a imagem de uma turma desconhecida ali sentada e, mais do que isso, de um júri desconhecido, ali sentado. Todos com caneta (ou lápis... uma pessoa sabia lá) na mão para apontar o mais pequeno deslize - numa aula de Matemática, de iniciação às décimas, cujo tema só podia ser conhecido com menos de vinte e quatro horas da apresentação - e que posteriormente iria ser discutido à grande e... à portuguesa de antigamente - até à exaustão - perante o mesmo júri e perante uma sala cheia.

Aí se aprendeu, com o director escolar e professor de pedagogia, que "seja o que for que te apontem de negativo" defende a tua posição porque até pode ser a mais correcta e o júri não se ter apercebido.

(E num estado fascista... isto até era democracia.)

Não acredito que toda esta panóplia de exigência forme melhores professores - se eles não tiverem "queda" e motivação - mas acredito que de facilitismo em facilitismo nada de bom advém.

(E quem não deve... não deve temer.)

Porque é triste, por exemplo, mesmo "só" por mero e singelo exemplo, ver escrito pelo professor - num quadro qualquer de uma cidade qualquer - "vocês" com "ç" de cedilha.

Não sendo erro de teclado, não sendo um novo acordo ortográfico, acredito também que a culpa não seja deste professor que o escreveu e que depois humildemente se envergonhou perante a classe.

Vamos lá, errar é humano.

Mas alguma coisa é preciso mudar. E não me parece que mais um mestrado, ou mesmo dois e um doutoramento, sejam suficientes.

A mãe deste professor com a antiga quarta classe - aposto - nunca na vida deu semelhante erro. Por exemplo. Só por mero e singelo exemplo.

publicado por tresgues às 16:50
link do post | comentar | ver comentários (4)
Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009

Professor, esta's desempregado?

Queres uma carreira pouco brilhante, como a tua, mas mais estável?

Vem trabalhar para o mesmo ramo. Inscreve-te na Alemanha, cujo slogan te chama assim: "Engenheiros, venham para a escola." Mas também podes não ser um engenheiro como deve de ser. Digo eu. Porque:

 

"Falta de professores é preocupante na Alemanha."(Clicar)

Associações prevêem que, em breve, o número de professores em falta rondará os 40 mil.

 

Queres saber mais acerca das condições laborais?

Pergunta que eu respondo. Vá, eu ajudo.

1 - Há desinteresse na profissão?

      Há.

2 - Quais os motivos?

a) Deficiente imagem profissional - falta de prestígio;

b) Pouco cativante para os jovens;

c) Jovens que para ela são "a-traídos" são os que têm piores notas;

d) Maioria dos profissionais no activo é idosa e prestes a "transformar-se": (*esta tem direitos de autor).

e) Predomina o caos na profissão;

f) Estatutos, formação profissional e renumerações desiguais nos diferentes estados;

g) Obtenção de maus resultados nos últimos estudos do PISA;

h) Profissionais são os acusados destas deficiências;

i) Profissionais são vistos como: preguiçosos - com tendências para a "estafa" e são poucos os que se deixam ficar no activo até à "transformação" (*vulgo reforma);

j) Deficiente progressão na carreira;

k) Precária renumeração.

 

3 - Fogem para outras profissões?

      Fogem.

 

4 - Quais as vantagens, então, perguntas tu, professor preocupado com o futuro?

TENS TRABALHO SEMPRE!

Se fores das áreas de Matemática, Física e Química, então, nem se fala mais nisso.

 

5 - Quais as regalias "decentes", perguntas tu professor, preocupado com o futuro mas ainda desconfiado?

TRABALHAS Só DE MANHÃ, TENS SEIS SEMANAS DE FÉRIAS NO VERÃO, PARA ALÉM DOS FERIADOS  E DO NATAL,  E DA PÁSCOA,  E DO CARNAVAL, E DOS MUNICIPAIS.

 

Sim, eu sei. Falam nos profs. do leste. Mas tenho cá p'ra mim que pensam que eles são os mais precisados. Mas queres mesmo trabalhar bem e prestigiadamente?

Sempre tens a Filândia, o Reino Unido ou o Canadá, ou... 

 

 

PS: Há algo em mim nos últimos posts que me puxa p'rá música.

Peço desculpa se/pelo incómodo.

publicado por tresgues às 10:03
link do post | comentar | ver comentários (4)

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 34 seguidores

.pesquisar

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Não há drones? É tal e qu...

. Numa escola perto de si

. Encarregados da educação?...

. Só professor?

. Andamos a matar a criativ...

. Coisas de professores

. Dia mundial das telecomun...

. Sem escolhas

. Exame de admissão à carre...

. Professor, esta's desempr...

. As escolhas de tresgues

. Gosto!

.links

.subscrever feeds